VIDA DE ESCRITOR (1)

O escritor Rubem Fonseca e eu caminhávamos por Ipanema. Certa moça não parava de olhar para ele numa farmácia. Ele me acompanhou para comprar neosaldina, que nesse tempo eu não tomava, comia.

Eu já sabia que Rubem não gostava de ser identificado. Senti receptividade no olhar dela e disse:

“A senhora está comprando um creme de eficiência comprovada. Meu amigo aqui, o Dr. Araújo, dermatologista, sabe tudo dessas coisas que eu ignoro. Dessas e de outras”.

Rubem Fonseca arrebatara o prêmio Status de Literatura com o pseudônimo Dr. Araújo, fazia mais de vinte anos.

E ela, dirigindo-se a Rubem,no carregado dialeto do Rio no erre francês e no esse lisboeta: “Ah, o senhor é dermatologista?”.

E ele: “sim e tenho um sócio que nos traz a maioria dos clientes”.

A conversa era nonsense total. Meio desconfiada, ela aceitou o convite para ser apresentada ao sócio.

“Ele está ali fora”, disse Rubem. “Aqui, ele não entra”. A moça que atendia quis saber por quê.

Eu disse: “O sócio dele não entra em farmácia, igreja, açougue, desses lugares ele não gosta”.

A atendente ficou desconcertada na sua cara de espanto: igreja, farmácia e açougue, o que teriam de comum?

Na calçada, Rubem Fonseca mostrou seu sócio à moça, apontando para o Sol, que brilhava lindo no céu da pátria aquele instante. E em todos os outros de um dia de verão no Rio, e para todos, sobre bons ou maus, sabemos desde o Eclesiastes.

Viveu bem até o fim, e não morreu de Covid-19, mas de infarto. Não fumava, não bebia nada com álcool e não tomava mais café. Mas gostava muito dessas três coisas.

Bebi vinho, fumei charuto e tomei café em sua companhia, menos vezes do que gostaria. “A Barra da Tijuca fica no além-túnel”, diz outro querido, o embaixador João Clemente Baena Soares : “A gente nem sabe se há vida lá, só sabe que o Deonísio mora naquele subúrbio”.

Muitas saudades do meu querido amigo, amigo desde que o conheci, em 1973. Faz tempo e ele partiu em abril de 2020, a poucas semanas de completar 95 anos. Mas não morreu de Covid-19, morreu de infarto.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s