Arquivo da categoria: Censura & Outras Proibições

BOCETA NÃO ERA PALAVRÃO

Originalmente, boceta ou buceta designou caixinha feita de uma madeira chamada buxo, do grego “búxys”, pelo latim “buxus”.

Veja o mito da Boceta de Pandora, recipiente onde estavam guardados todos os males do mundo.

As mulheres gregas e romanas da Antiguidade usavam esse tipo de caixa para guardar suas joias e outras preciosidades.

No século XVIII, a vulva já era comparada a boceta, mas com este significado, a palavra só caiu na boca do povo (epa!) três séculos depois.

No Século XIX, com o antigo significado, aparece no romance “Helena “, de Machado de Assis, de sua fase romântica. Nada do segundo significado ainda.

Os homens também carregavam consigo uma pequena boceta com rapé. Era chique cheirar a boceta e espirrar.

Boceta em casa e no bolso, escarradeiras nas residências abastadas, nenhum cinzeiro, que só chegará mais tarde, quando bocetas e escarradeiras tinham ido embora. E agora o cinzeiro também está dando adeus e já sumiu de muitos lugares.

A história das palavras revela muito dos usos e costumes.

______________________________

Leia:
“…— Excelente amostra! Não acha, titia? disse o moço a D. Úrsula, que nesse instante aparecera à porta, trazendo o seu presente, numa
bocetinha de joalheiro.” (Helena, de Machado de Assis, capítulo XI).

O PAPA QUE QUEIMOU GIORDANO BRUNO LIBEROU O CAFÉ

Em 17 de fevereiro de 1600, Giordano Bruno foi queimado vivo. Sem ele, talvez não tivéssemos Galileu Galilei.

Em 1999, foram encontrados diversos volumes do processo, que estava perdido ou escondido há 400 anos.

O papa Clemente VIII, presidindo aos festejos da fogueira sagrada do Santo Ofício & Inquisição, tomou algumas xícaras de café, achou saborosa a “bebida do demônio” e a liberou para o mundo cristão.

Descoberto e cultivado por povos muçulmanos, o café era até então proibido aos católicos.

Clemente VIII herdou um mundo em ebulição. Era o quarto papa depois de Gregório XIII, aquele que mudou o calendário em 4 de outubro de 1582, tirando-lhe dez dias justamente no dia da morte de Teresa D’Ávila, que foi enterrada no dia seguinte, 15 de outubro.

Entre seus antecessores, o pontificado de um durou dez meses, o de outro apenas dez dias.

E se daqui a pouco surgir um poderoso que libere certas drogas? Não mudará o calendário, mas certamente mudará o mundo.